Dia Europeu da Proteção das Crianças contra a Exploração e o Abuso Sexual

“No Instagram, todos são o seu próprio porta-voz”. Geralmente, a criação de um “ego digital” pode ser considerada como uma tarefa adicional no desenvolvimento dos jovens do século XXI. No entanto, as redes sociais também têm o seu lado negro: desde problemas relacionados com a privacidade, cyberbullying e violação de direitos de autor decorrente do reencaminhamento não autorizado de fotografias e à exposição online sob forma sexualizada.

No sentido de sensibilizar os jovens para este problema, no dia 18 de novembro, a EPADRPL fez questão de assinalar o Dia Europeu da Proteção das Crianças contra a Exploração e o Abuso Sexual, criado em 2015 por decisão do Conselho de Ministros do Conselho da Europa, cujo tema central da edição de 2020 é "Prevenir comportamentos de risco das crianças: imagens e/ou vídeos sexualmente explícitos de crianças produzidos por crianças".

Para o efeito, a Escola contou com a importante colaboração da CPCJ de Ponte de Lima, que nos fez chegar um conjunto de materiais pedagógicos aplicáveis a alunos de 3.º ciclo e secundário e que se enquadram no projeto de Cidadania e Desenvolvimento. A mesma entidade também facultou o folheto informativo da edição deste ano produzido pelo Conselho da Europa e cartazes produzidos pelo Centro Internet Segura, de apoio à divulgação da Linha Internet Segura.

Assim, os nossos alunos do 1.º e 2.º ano do Curso de Educação e Formação T2 - Operador de Jardinagem, nas aulas de Matemática e de Cidadania e Mundo Atual com as professoras Manuela Oliveira e Tânia Ribeiro, respetivamente, bem como os alunos do 2.º A do Curso Profissional Técnico de Produção Agropecuária, na aula de Matemática com a professora Elsa Lopes, trabalharam a atividade "És o que publicas" retirada do manual "Selfies, sexting, autoimagem física”. 

Pretendeu-se que os jovens debatessem o que fazer e não fazer na autoimagem física nas redes sociais. Para tal, os alunos dispuseram de alguns momentos para visitar os perfis uns dos doutros nas redes sociais, de seguida preencheram a lista de verificação da autoimagem física digital e, por fim, obtiveram os resultados.

Sem dúvida, uma atividade de extrema importância para a consciencialização de crianças e jovens acerca dos perigos que uma exposição da imagem inconsciente nas redes sociais pode acarretar nas suas vidas!