Articulação entre aulas práticas de Produção Agrícola e Mecanização Agrícola

No dia 28 de setembro, os alunos do 2.º A, do Curso Profissional Técnico de Produção Agropecuária, nas aulas de Produção Agrícola, no domínio da horticultura, e sob orientação da professora Adelina Reis, estiveram em plena colaboração com os alunos do 1.º A e do 1.º B do mesmo Curso, no âmbito da articulação interdisciplinar com Mecanização Agrícola, lecionada pela professora Gracinda Alves, com vista à concretização das etapas para instalação das culturas na estufa.

Removeu-se o estrume da nitreira, tendo o aluno Pedro Leitão, do 1.º A, efetuado o seu transporte. Nas estufas, os alunos do 2.º A e do 1.º A, realizaram, conjuntamente, a descarga e espalhamento do estrume.

Posteriormente, os alunos João Fernandes, Daniel Dantas, José Costa e João Sobral, do 2.º A, procederam à execução das tarefas no interior da estufa, evidenciando grande com destreza a operar a enxada mecânica. Vulgarmente designada de “cavadeira”, a enxada mecânica é uma alfaia que trabalha acionada pela tomada de força e se enquadra no grupo de alfaias que integram as mobilizações secundárias. A enxada mecânica possui um veio horizontal, onde estão montadas várias enxadas que se assemelham ao trabalho das enxadas manuais. Consiste numa alfaia indicada para mobilizações que pretendam evitar o calo de lavoura e que apresentam uma textura/estrutura do solo delicada e com um aspeto superficial liso e uniforme.

Por sua vez, os alunos Rodrigo Neiva, Rodrigo Roque, Simão Faria, Sofia Gomes, Tatiana Vilar, Tiago Furtado, Tiago Barbosa, Tiago Rodrigues, Tiago Couto e Valter Azevedo, do turno 2 do 1.º B, acompanhados pela professora Gracinda, experimentaram conduzir/operar, pela primeira vez, a enxada mecânica. E, atendendo à sua parca prática, nomeadamente em espaços fechados, os alunos saíram-se muito bem nesta experiência.

Este trabalho foi realizado nas quatro estufas da Escola, uma delas com a particularidade de ser geminada. Estas operações visam instalar as culturas de outono/inverno, nomeadamente as famílias das asteráceas, a quantidade de 9000 plântulas de alface e as brássicas (couve-coração, couve-flor e couve-bróculo).

Estão de parabéns todos os alunos pelo êxito das tarefas incumbidas. Citando Aristóteles: “É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer.”. Podemos, deste modo, afirmar que esta máxima vigora em pleno na EPADRPL.